Os problemas de sua família não são seus!

Os problemas de sua família não são seus!

Dentro da prática clínica é muito comum se ouvir queixas dos pacientes sobre suas respectivas famílias. Algumas pessoas não satisfeitas com a que tem acham que se pertencessem ao ideal familiar de “comercial de margarina”, “bem estruturada”, normalmente na figura de família nuclear – pai, mãe e filho(s) –  com seus papéis bem definidos, eles seriam mais felizes. Entretanto, esse tipo de família feliz é fantasiosa e não existe.

O conceito de família nuclear é socialmente construído. Esse modelo ainda é reproduzido e incentivado pela igreja, por juristas, por pedagogos, por psicólogos e nas mídias em geral. Mas a vida moderna possibilitou uma mobilidade das configurações familiares e novas formas de convívio vêm sendo improvisadas em torno da necessidade, podendo ser monoparentais, multiparentais, homoparentais e ainda assim não se alterou as responsabilidades da mesma.

É verdade que não escolhemos nossa família, nascemos e crescemos com pessoas que aos poucos se tornam (ou não) referências em nossa vida. Com frequência ouvimos que a família deve estar em primeiro lugar e junto desse discurso uma lista de comportamentos do que se deve ou não fazer para estar em harmonia. Isso é bom, mas acontece que em muitos lares o convívio é adoecedor.

A psicanálise lacaniana argumenta que a família deve ser entendida enquanto um complexo, sendo este algo que “reproduz uma certa realidade do ambiente”. Tais complexos desempenham um papel de organizadores no desenvolvimento psíquico tendo o sujeito consciência do que ele representa. É na família onde aprendemos a nos relacionar, criamos os primeiros vínculos e começamos a desenvolver nossa personalidade. Mas como sabemos, durante esse processo de desenvolvimento familiar, sempre haverá algum conflito ou trauma que marcará a vida do sujeito.

Famílias muito rígidas que não dão espaço para a mudança e o diálogo é escasso, famílias extremamente liberais que não dão limites, ou no caso de pais, cuidadores e filhos dependentes emocionalmente que não conseguem cortar o “cordão umbilical”, geralmente envolve um ganho secundário de uma das partes além do sentimento de culpa e medo, o que faz com que se torne um ciclo contínuo.

É muito importante parar de assumir os problemas da família como se fossem de sua responsabilidade. Não é uma postura fácil de assumir. Ao romper com esse ciclo ocorrerão mudanças e estranhamento por parte dos familiares em questão. Para algumas pessoas pode ser fácil se posicionar frente os problemas familiares. Para outras pode ser necessário acompanhamento psicoterapêutico.

A análise auxilia o sujeito a reconhecer os motivos que levam a adotar comportamentos nocivos que afetam no seu relacionamento familiar e padrões inconscientes que lhe impedem de romper com esse ciclo. No início, sensação de ansiedade, culpa e medo podem ocorrer, mas os benefícios aparecem ao longo do tempo.


Caso você esteja enfrentando algum problema parecido com o que foi descrito acima e não consegue lidar sozinho(a), procure um psicólogo mais próximo ou entre em contato pelo e-mail ou whatsapp.

Contatos

Se você deseja realizar uma consulta, tem alguma dúvida ou deseja mais informações, entre em contato.

Anna Carolina Cutrim
Psicóloga


Instituto Equilibri
Edifício Premier Feira, Sala 403
Av. Getúlio Vargas, 2525
Santa Monica - Feira de Santana (BA)
CEP 44077-015

Celular / WhatsApp
(75) 99186-9439