Precisamos falar sobre bullying

Precisamos falar sobre bullying

Bullying, um termo novo para um problema antigo, é uma forma de conduta agressiva, intecional, sistemática e prejudicial, que pode vir acompanhada de agressões tanto físicas quanto verbais. Normalmente ocorre em ambiente escolar, mas também pode estar presente em contextos familiares, na vizinhança, lugares frequentados e em mídias sociais.

Recentemente a mídia noticiou a morte da adolescente Dielly Santos, de apenas 17 anos, vítima de bullying. Dielly cometeu suicídio após chegar da escola. Alguns relatos de pessoas próximas afirmam que comentários maldosos e piadas sobre sua forma física eram frequentes e a adolescente se empenhava em fazer dietas por não suportar mais essas “brincadeiras”. O mais interessante do caso de Dielly, mesmo com a notícia da causa de sua morte, os comentários maldosos não cessaram.

 

Bullying e saúde mental

O bullying possui grande influência na saúde mental de seus envolvidos. Os efeitos desses comportamentos agressivos podem ser catastróficos, como no caso de Dielly e de muitas outras crianças que preferiram tirar a própria vida, isso se não houver medidas preventivas e protetivas às suas vítimas.

 

Hannah da série 13 Reasons Why

Na série 13 Reasons Why, a personagem Hannah comete suicídio após ser vítima de bullying por alunos da escola que frequenta.

 

O suícidio cometido por essa adolescente é só mais uma das muitas consequências que o bullying pode causar. A curto prazo podem apresentar baixa autoestima, isolamento social, alterações de humor, desinteresse pelos estudos, desinteresse pela escola, ansiedade, depressão, obsessões, compulsões, bulimia/anorexia. A longo prazo podem ser percebidas como dificuldades de relacionamento interpessoal e profissional, podem se tornar adultos agressores e apresentar comportamentos auto lesivos.

Os agressores são também consideradas vítimas, pois seus comportamentos sugerem uma relação com a violência. Na grande maioria dos casos, podem presenciar atitudes agressivas como expressão de autoafirmação, solução de problemas ou, até mesmo, ser mais uma vítima de agressões fisicas e/ou verbais. Desse modo, reproduzem tais condutas para seus relacionamentos, tanto no presente como no futuro.

Pais, cuidadores, professores e demais responsáveis, fiquem atentos aos sinais e sintomas físicos e psicológicos que aparecem sem explicação. As alterações do comportamento podem ser os primeiros sinais das vítimas do bullying.

Se a criança ou o adolescente apresentar sintomas psicológicos (depressão, ansiedade), devem ser encaminhadas a um profissional especializado. Devemos manter uma postura reflexiva sobre o assunto, de modo que a decisão sobre as medidas protetivas não seja reativa e geradora de mais violência.

Contatos

Se você deseja realizar uma consulta, tem alguma dúvida ou deseja mais informações, entre em contato.

Anna Carolina Cutrim
Psicóloga


Instituto Equilibri
Edifício Premier Feira, Sala 403
Av. Getúlio Vargas, 2525
Santa Monica - Feira de Santana (BA)
CEP 44077-015

Celular / WhatsApp
(75) 99186-9439